Igrejas europeias sofrem profanações e incêndios todos os dias

O Gatestone Institute, organização sem fins lucrativos que defende a democracia e o Estado de Direito, denuncia que diariamente as igrejas europeias estão sendo alvo de profanações e ataques.

Apenas no mês de março, quatro igrejas na Alemanha foram profanadas ou incendiadas. “Nesse país há uma guerra gradual e constante contra tudo que simboliza o cristianismo”, denuncia a PI-News.

Cruzes e estátuas sagradas também estão no alvo dos terroristas que não poupam igrejas e nem cemitérios.

Em muitos casos, os vândalos são muçulmanos imigrantes ou portadores de doenças mentais. Para evitar perseguição, a identidade dos suspeitos são preservadas pela mídia local.

“Quase ninguém escreve ou fala sobre os crescentes ataques a símbolos cristãos. Há um silêncio eloquente tanto na França quanto na Alemanha em relação ao escândalo das profanações e à origem dos perpetradores”, completa a ONG citando reportagens locais.

“Nem uma palavra, nem mesmo o menor indício que de alguma maneira poderia levar à suspeita sobre os migrantes… Não são os perpetradores que correm o risco de serem malvistos e sim aqueles que ousam associar a profanação dos símbolos cristãos à chegada de imigrantes. Eles são acusados de ódio, discurso de incitamento ao ódio e racismo”, diz o site alemão PI News em uma publicação no mês de março.

Em média, duas igrejas são profanadas todos os dias na França, ao longo do ano de 2018 foram registrados 1.063 ataques a igrejas ou símbolos cristãos naquele país. O número é 17% maior que em 2017, quando foram registrados 878 ataques.

Em alguns dos ataques, as cruzes são quebradas, altares destruídos, Bíblias incendiadas, pias batismais derrubadas e as portas das igrejas pichadas com expressões islâmicas do tipo “Allahu Akbar”.

Fonte: Gospel Prime

Cristãos são mortos por terroristas Fulani após apresentação de bebês na Nigéria

Mais de uma dúzia de cristãos, incluindo crianças, foram massacrados por militantes Fulani após um culto de apresentação infantil no estado nigeriano de Nasarawa, na Nigéria.

O ataque, relatado pelo Morning Star News, aconteceu no domingo (14), quando os cristãos da comunidade predominantemente cristã se reuniram para comer depois que crianças foram apresentadas naquela manhã na Igreja Batista Ruhaniya, na aldeia.

Militantes fulanis, que têm cada vez mais alvos cristãos, invadiram o local e abriram fogo indiscriminadamente, matando 17 pessoas. Os militantes alegaram a vida da mãe do bebê, Safaratu John Kabiru Ali, junto com vários outros, alguns dos quais eram crianças de apenas 10 anos. O pai do bebê, John Kabiru Ali, está em estado crítico até o momento, em decorrência dos ferimentos pelos tiros.

Um morador local disse ao Morning Star News que entre os mortos estavam “10 membros da Igreja Batista de Ruhaniya, cinco membros da Igreja Evangélica Reformada de Cristo, um membro da Igreja Evangélica Winning All e um músico tocando para convidados”.

Samuel Meshi, presidente do Conselho do Governo Local de Akwanga, disse à agência que o grupo de cristãos não fez nada para provocar o terrível ataque.

“Eles começaram a filmar esporadicamente em uma comunidade que estava apenas celebrando a dedicação de uma criança depois de um culto na igreja no domingo (14 de abril) em uma igreja batista na área”, disse Meshi.

“As mortes ocorreram na noite daquele dia. Infelizmente, essas pessoas foram mortas a sangue frio simplesmente por nenhuma razão ”, observou ele.

O pastor Samson Gamu Yare, líder comunitário do grupo étnico Mada no estado de Nasarawa, descreveu os assassinatos como “bárbaros” e pediu ao governo federal que tome medidas urgentes para reduzir a ameaça de ataques de pastores extremistas a seu povo.

Tomada nigeriana O Punch observa que o governador do Estado de Narasawa, Umaru Tanko Al-Makura, exigiu que os perpetradores fossem detidos imediatamente.

“Isso é algo que vamos levar a sério. Nós vamos ter uma reunião do Conselho de Segurança e eu já direcionei agentes de segurança para garantir que eles pescariam essas pessoas e as levariam para as reservas ”, disse Al-Makura, de acordo com a Channels TV.

O Major-General Adeyemi Yekini anunciou sua estratégia para rastrear e prender os envolvidos no ataque.

“Dirigi minhas tropas para se mudarem para Akwanga e se juntarem a outras forças de segurança para rastrear os responsáveis ​​por essa crise; vamos apreendê-los para que a justiça possa ser feita ”, disse ele.

A Nigéria classifica-se como o 12º pior país do mundo no que diz respeito à perseguição cristã, de acordo com a Lista Mundial de Perseguição da Portas Abertas de 2019.

Os pastores Fulani são um grupo étnico de mais de 20 milhões na África Ocidental e Central. Eles viajam centenas de quilômetros carregando armas para proteger o gado. Embora eles tenham entrado em conflito com tribos e cristãos indígenas durante séculos, apenas um pequeno subgrupo é extremista e se envolve em ataques, de acordo com o Índice Global do Terror.

No entanto, a Portas Abertas observa que os confrontos se intensificaram nos últimos anos e levaram à destruição de casas e igrejas, bem como a apreensão de terras e propriedades pertencentes a proprietários cristãos. Portas Abertas concluiu que o governo nigeriano historicamente não conseguiu proteger os cristãos, especialmente mulheres e crianças, da violência extremista Fulani.

Em 4 de março, militantes Fulani no estado de Benue teriam atacado três aldeias, matando 23 pessoas com balas e facões, de acordo com a International Christian Concern.

Também em março, 52 pessoas foram mortas, dezenas ficaram feridas e cerca de 143 casas foram destruídas em ataques nas vilas de Inkirimi, Dogonnoma e Ungwan Gora, no distrito de Maro, na área do governo local de Kajuru.

Fonte: Guiame

Franklin Graham prega para 94 mil pessoas na Colômbia: “Jesus é a resposta”

Aproximadamente 94.000 pessoas – entre colombianos e venezuelanos – participaram do Festival Esperança promovido pela Associação Evangelística Billy Graham (AEBG), que foi realizado no período de 18 a 20 de abril em Cúcuta, na Colômbia.

Com ministrações do Pr. Franklin Graham, o evento aconteceu no estádio General Santander nas noites de sexta e sábado. Na quinta-feira, 22.000 pessoas acompanharam crianças em um evento evangelístico paralelo para elas, o FestiKids.

Segundo a AEBG, outras 21.000 pessoas em 34 países assistiram ao Festival online. Treze voluntários estavam presentes em Cúcuta para responder às perguntas espirituais via Facebook ou chat ao vivo.

Situada na fronteira com a Venezuela, Cúcuta absorveu um êxodo em massa de venezuelanos nos últimos anos, à medida que o país de origem dessa multidão enfrenta uma crise humanitária, econômica e grande escassez de alimentos e remédios.

Segundo o site da Associação Evangelística Billy Graham, mais de 7.550 pessoas aceitaram Cristo.

“Nós vemos problemas econômicos no mundo, problemas políticos, vemos guerras, vemos fome, e nos perguntamos se existe um Deus e se Ele se preocupa conosco”, disse Graham à multidão no sábado, um dia antes da Páscoa.

“Jesus”, ele acrescentou, “é a resposta”.

Filho do Pr. Billy Graham, o pastor Franklin explicou à multidão que Jesus “não está mais pendurado na cruz. Ele está vivo. Ele está aqui esta noite, neste estádio. E se você estiver disposto a invocar o nome dele e confiar nele, Deus irá perdoá-lo de seus pecados. Você pode ter paz esta noite com Jesus Cristo”.

Mais de 450 igrejas participaram do evento. “É ainda melhor do que eu esperava”, disse Edgar Miller, pastor de Cúcuta, referenciando a participação das muitas igrejas de várias denominações que se uniram para um propósito, “em uma só voz”, para compartilhar Jesus com seus amigos, familiares e vizinhos.

“O próximo passo”, disse Miller, “inclui igrejas locais contatando os novos cristãos e envolvendo-os em uma congregação”.

Estima-se que 1 milhão de venezuelanos tenham cruzado a fronteira para a Colômbia nos últimos anos, em busca de comida e trabalho. Muitos deles desembarcaram em Cúcuta, atravessando a vizinha Ponte Simon Bolivar.

Franklin assegurou-lhes que Deus se importa mais do que eles poderiam saber. Tanto que Ele veio à Terra para morrer pelos nossos pecados na cruz. “Mas ele não ficou morto”, destacou.

Testemunhos e conversões

O Festival teve alguns momentos inesperados, mas alegres. Uma conselheira voluntária entrou em trabalho de parto no sábado à noite quando ela estava conversando com uma pessoa que se converteu a Cristo, quando preciso ser levada para o hospital. Ela teve um bebê saudável não muito tempo depois.

Angie Pabón, de 14 anos, foi à FestiKids na quinta-feira e no Festival de sexta-feira, mas não tinha certeza do que fazer com o que estava ouvindo até que se decidiu no sábado. Ela caminhou até a frente do palco com sua família e disse a uma conselheira chamada Glency Blanco que ela estava pronta para começar sua vida com Jesus.

O filho de Glency, Diego, também com 14 anos, foi quem levou sua mãe a Cristo no ano passado. Sua família tinha acabado de se mudar da Venezuela e se estabeleceu perto de uma igreja quando seu filho anunciou que ele iria começar a frequentar aos domingos. Glency viu uma mudança nele e decidiu se juntar a seu filho.

Ela viu como a fé trouxe paz ao relacionamento e a outras áreas de suas vidas. É o que ela quer para todos os que entregaram suas vidas a Cristo neste fim de semana.

O Pr. Franklin incentivou todos os que começaram uma nova vida com Jesus a irem à igreja no dia seguinte e “contar a um pastor o que você fez aqui hoje”.

Fonte: Guiame

Minutos antes do massacre no Sri Lanka, crianças se declararam dispostas a morrer por Jesus

Apenas alguns minutos depois de expressar sua disposição em morrer por Cristo, metade das crianças de uma classe da Escola Bíblica na Igreja de Sião, em Batticaloa, teria sido morta nos ataques suicidas do domingo de Páscoa (21), no Sri Lanka.

“Hoje tivemos uma aula de Escola Bíblica sobre a Páscoa na igreja e perguntamos às crianças: ‘quantos de vocês estão dispostos a morrer por Cristo?’ Todos levantaram as mãos. Minutos depois, eles desceram para o culto principal e a explosão aconteceu. Metade das crianças morreu no local”, disse Caroline Mahendran, professora da Escola Bíblica Dominical na igreja, de acordo com o pesquisador israelense, Hananya Naftali.

PUBLICIDADE

O relatório surge enquanto o número de mortos dos atentados a várias igrejas e hotéis de luxo no país insular, onde os cristãos representam menos de 10% dos 20 milhões de habitantes, subiu para quase 310, com mais de 500 feridos.

Kumaran, que é um dos líderes da Igreja de Sião, disse ao jornal Times of India que ele testemunhou a morte de muitas das crianças, pouco depois de discutir com o suspeito do atentado suicida, que ele não reconheceu.

Foi por volta das 8h30, disse Kumaran, quando viu o suspeito do atentado suicida carregando uma sacola nos degraus da igreja já cheia de fiéis.

“Perguntei quem ele era e o seu nome. Ele disse que era muçulmano e queria visitar a igreja”, disse Kumaran.

Kumaran disse que foi afastado da conversa com o homem por outros líderes, porque estava se atrasando para a cerimônia de celebração da Páscoa. Enquanto caminhava em direção ao púlpito, ele ouviu uma explosão. Quando ele se virou e viu que o sangue de seus fiéis, incluindo muitos da classe das crianças da Escola Dominical, estava salpicado nas paredes da igreja.

A dor da perda

Arasaratnam Verl, de 41 anos, disse que seu filho de 13 anos, V. Jackson, que também é seu único filho, estava de pé perto da entrada da igreja depois de assistir à aula da Escola Dominical. Jackson foi morto instantaneamente.

“Minha irmã mais velha também foi morta. Minhas duas irmãs mais novas e meu cunhado estão em estado crítico”, disse Verl ao Times of India.

Verl disse que seu amigo, Ramesh, que também interrogou o suspeito de atentado suicida e “empurrou o homem para fora da porta da igreja”, também morreu também quando o homem se explodiu logo depois disso.

“Eu nunca ouvi o som de uma explosão de bomba antes. Inicialmente pensamos que era a explosão de um pneu ”, disse S. Vikash, 21, um representante médico que mora perto da igreja. “Quando percebemos que era uma explosão, seguimos o som de carros de bombeiros e ambulâncias. A cena era aterrorizante. Havia sangue e partes do corpo espalhadas por toda parte. Foi de cortar o coração ver os corpos das crianças.”

Ataques simultâneos

Do lado de fora da Igreja de Sião, os atentados a bomba no Sri Lanka no domingo também atacaram o Santuário de Santo Antônio em Colombo, a capital do país; a Igreja de São Sebastião em Negombo; bem como hotéis de alto nível em Colombo, incluindo o Shangri-La, o Cinnamon Grand e o Kingsbury.

O rev. Kanapathipillai Deivendiran, que programado para ministrar a mensagem do dia da Páscoa na Igreja de Sião no domingo, disse ao jornal The Hindu que se ele não tivesse atrasado naquela manhã, poderia ter sido morto também.

“Eu fui um pouco depois das nove da manhã. Eu estava alguns minutos atrasado, mas se isso não tivesse acontecido você não estaria falando comigo agora”, disse ele. “Eu não sabia que tinha havido uma explosão alguns minutos antes disso, eu só entrei nas instalações. Quando entrei, fiquei abalado com a visão que tive. As paredes haviam desmoronado completamente, havia corpos por todo o chão”, disse ele.

Fonte: Guiame

Contra fatos, não há argumentos: os cristãos são o grupo religioso mais perseguido do mundo

Maycson Rodrigues

Depois do ocorrido neste último domingo (21), você ainda tem alguma dúvida de que o incêndio criminoso da Catedral de Notre-Dame foi motivado por perseguição religiosa? Eu não tenho dúvida. Agora, temos não um incêndio criminoso, mas um atentado terrorista que vitimou quase 800 pessoas, entre mortos e feridos.

Contra fatos, não há argumentos: os cristãos são (disparado) o grupo religioso mais perseguido do mundo e, ainda que boa parte do ocidente negue este dado da realidade, precisamos acima de tudo repercutir e suscitar uma reflexão sobre este assunto.

Creio que o reconhecimento daquilo que de fato acontece no mundo com relação ao povo que professa a fé em Jesus Cristo não deve nos fazer pensar que isso é algo a ser meramente abordado no âmbito político da coisa. Não. Devemos falar disso também no âmbito escatológico considerando que, se estamos no caminho do martírio, estamos no caminho certo.

Podem queimar os templos. A fé continuará inabalável e o Cristo mais soberano do que nunca. Sua igreja não será impedida por nenhum terrorista ou político ou seja lá qual for a personalidade poderosa ou influente. As portas do Inferno não prevalecerão…

Não estamos alicerçados em prédios feitos por homens, mas sim na Pedra Viva e Angular, aquela que foi rejeitada há mais de dois mil anos atrás: Jesus Cristo, a Rocha Inabalável onde fomos vivificados e estamos num processo permanente de edificação e santificação.

Sabemos em quem temos crido. Ele nos preservará até o fim e glorificará os seus santos mártires.

No entanto, deixamos claro para cada um que acessar este artigo a verdade de que a Igreja Cristã é e continuará sendo o maior alvo de perseguição religiosa em todo o mundo. Antes de nos acusarem de preconceituosos, intolerantes, incitadores do ódio e da violência, lembrem-se de que o sangue mais derramado nesta terra caída é o sangue de gente que abraçou o sofrimento juntamente com Cristo a fim de que, juntamente com Ele, possam alcançar a ressurreição e a glória.

E não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei antes aquele que pode fazer perecer no inferno a alma e o corpo. Não se vendem dois passarinhos por um ceitil? E nenhum deles cairá em terra sem a vontade de vosso Pai.
E até mesmo os cabelos da vossa cabeça estão todos contados. Não temais, pois; mais valeis vós do que muitos passarinhos. Portanto, qualquer que me confessar diante dos homens, eu o confessarei diante de meu Pai, que está nos céus. Mas qualquer que me negar diante dos homens, eu o negarei também diante de meu Pai, que está nos céus. (Mateus 10:28-33)

Fonte: Gospel Prime

Idosa se converte após receber missionários pela primeira vez no sertão da Paraíba

Quando viu missionários chegando em sua comunidade pela primeira vez, dona Francisca, 74 anos, sentiu medo. Pensando que poderiam ser ladrões, se escondeu embaixo da cama, até que ouviu em outro cômodo seu marido receber uma oração. Jesus entrou naquele lar.

Dona Francisca foi a primeira moradora a se converter ao Evangelho com a chegada dos missionários na comunidade rural de Malhada Vermelha, no município de Santo André, na Paraíba.

De acordo com a Upgrade Missões, que tem uma base missionária no município, Santo André é uma das 30 cidades menos evangelizadas do Nordeste. Dentre seus 46 povoados rurais, 44 não possuem presença evangélica alguma.

Francisca se lembra com lucidez o dia em que as Boas Novas de Cristo entraram em sua casa, cerca de 4 anos atrás. Um grupo de missionários passava pelo povoado e decidiu entrar em sua propriedade, mas ela temeu que sua criação de cabras fosse roubada.

“Quando eles chegaram na minha casa e eu vi aquela multidão de gente, eu pensei que eram ladrões e me escondi embaixo da cama. Eles começaram a orar por meu esposo e meu filho. Eu disse: ‘Meu Deus, essa aí é a palavra de Jesus e eu estou me escondendo’”, contou dona Francisca ao Guiame.

A idosa continuou desconfiada, mas imaginou que a verdadeira intenção daquelas pessoas seria revelada com a convivência. Com o passar do tempo, Francisca conheceu mais sobre Deus e também sobre o coração daqueles missionários.

“Depois dessas visitas, eu fui ficando muito feliz. O povo ficou implicando, dizendo que eram ladrões, que iriam me roubar. Eu dizia: Seja o que Deus quiser! Aceitei e até hoje eu sou feliz”, afirma Francisca, convicta de sua felicidade.

Vida transformada

Desde que o casal de missionários Pedro e Kessia Buriti, que fazem parte da Upgrade Missões, passaram a discipular dona Francisca, grandes mudanças aconteceram.

“Mudou muita coisa. Quando eu sentia raiva, eu descontava na cachaça e não conseguia perdoar as pessoas. Eu ficava com aquilo tudo trancado. Mas hoje eu tenho raiva e, de repente, passa. Eu agradeço a Jesus por estar conduzindo a minha cabeça”, afirma.

Francisca consumia álcool dos 20 anos aos 70 anos de idade. Através de uma oração feita por Pedro, a cura do vício também fez parte de sua transformação. “Ele colocou a mão na minha cabeça e, naquela hora, eu não senti vontade de beber nem refrigerante. Foi Jesus!”, garante.

Depois de receber a oração, dona Francisca abriu seu guarda-roupa e mostrou a Pedro onde escondia a cachaça. “Quando o povo me dava raiva, eu bebia uma golada e saía para brigar”, confessou. “Mas depois da oração, eu me senti muito feliz. Não aceito mais nada de bebida. Me sinto muito feliz em também ter tirado a cachaça do meu filho. Foi uma benção mandada por Jesus!”.

O dia de seu batismo marcou uma nova etapa para dona Francisca. “O batismo foi tudo na minha vida. Depois do ‘banho’ eu me senti aliviada. Meus irmãos ficaram implicando comigo, mas não tem importância. Uma cunhada que Jesus já levou se sentiu muito feliz. Ela disse: ‘Siga sua vida, não se importe com a implicação de ninguém’”, ela lembra.

Hoje dona Francisca faz parte das aulas de alfabetização promovidas pela Upgrade Missões e está aprendendo a ler a Bíblia. “Eu me sinto feliz quando vou para a aula. Agradeço a Jesus por ter colocado eles no meu caminho”, disse ela sobre os missionários.

Questionada sobre quem é Jesus, Francisca o define como seu intercessor: “Jesus é aquele que está lá no céu orando por nós. Sem Jesus não podemos seguir”.

Para conhecer mais sobre a Upgrade Missões, acesse sua página no Facebook e Instagram.

Fonte: Guiame

Evangelista relata milagres em cruzada no Togo, país que deu origem ao vodu

Lomé é a capital e a maior cidade do Togo, na África. Localizada no Golfo da Guiné, Lomé é o centro administrativo e industrial do país, com seu principal porto. A cidade tem visto um crescimento maciço nos últimos tempos devido a uma refinaria de petróleo no Leste.

Pela segunda vez, o evangelista Daniel Kolenda realiza uma grande cruzada em Lomé. Ele conta que a primeira aconteceu em 2011, quando tiveram inúmeras dificuldades e desafio para conseguirem efetivar o propósito evangelístico.

“Nossa equipe técnica ficou presa na fronteira, a caminho de Togo, com todos os equipamentos de som e materiais, e não conseguimos chegar a tempo para montagem. A campanha já era para ter sido realizada um mês antes, mas devido a mudança repentina nas regras legais da alfândega nos impediu de avançar momentaneamente. Mas, sabemos que quando as lutas são grandes, as bênçãos seguirão na mesma proporção”, disse ele na época.

Desta vez, a cruzada aconteceu num período de três dias. “Acabamos de concluir o terceiro dia de reuniões poderosas aqui em Lomé. Tem sido notável até agora. Estamos na parte do mundo da qual o vodu se origina”, disse o evangelista.

Vodu é uma crença sincrética que combina elementos de catolicismo e de religiões africanas, com raiz semelhante à do candomblé.

Durante a pregação e orações, Kolenda relata que houve manifestações de espirituais. “Há muita feitiçaria e animismo aqui. Cada noite muitas pessoas manifestam demônios e recebem livramento”, explicou.

O evangelista contou ainda que as pessoas trazem objetos ligados a feitiçarias até o lugar da cruzada. “Como de costume, antes de eu pregar, queimamos parafernália de feitiçaria, encantos, fetiches, amuletos e ‘juju’”, descreveu.

“Eles incutem grande medo e superstição naqueles que os possuem. Esta noite o povo renunciou a eles e a feitiçaria por trás desses objetos. Eu tomei autoridade sobre cada maldição, parti-os em nome de Jesus e as pessoas se alegraram em se sentir libertas”, contou o evangelista.

Kolenda contou que durante o último ano, sua equipe esteve treinando e equipando jovens evangelistas enviados para as cidades do Togo, para fazer evangelismo local semanas antes da realização das cruzadas. “Eles vão a muitos lugares que nossas principais cruzadas não podem alcançar. Eles ministram em escolas, aldeias, mercados, nas esquinas das ruas, nas propriedades da igreja e nos campos de futebol – em qualquer lugar onde possam atrair uma audiência”, explicou.

O evangelista explica que “nossos técnicos construíram caminhões personalizados equipados com laterais retráteis, um sistema de som e palco que constitui uma plataforma de cruzada portátil que pode ir a qualquer lugar”. Ele disse que com esses caminhões os evangelistas fazem até três reuniões por dia. “Nas últimas oito semanas, nossos evangelistas estiveram aqui no Togo pregando o Evangelho”, relatou.

Curas e milagres

No entanto, Kolenda disse que mais importante que essas ações são as pessoas sendo libertas e curadas por Deus. Ele conta que após pregar o evangelho e liderar dezenas de milhares de pessoas na oração da salvação, pediu para seu auxiliar Jared Horton, um dos evangelistas que trabalha no local, para orar pelos enfermos.

“Ouvimos testemunhos maravilhosos de cura sobrenatural. Uma senhora que ficou paralisada por oito meses da cintura para baixo não podia andar, ela apenas se arrastava pelo chão. Depois da oração, ela estava completamente curada e começou a andar normalmente”, testemunhou Kolenda.

Outro testemunho foi de um homem que há dois anos estava com o joelho esquerdo danificado em consequência de um acidente. “Depois da oração pelos enfermos, toda a dor deixou seu joelho”

Duas damas que sofreriam com “severa opressão e possessão demoníaca” foi libertas, de acorco com o evangelista. “Elas foram completamente libertas depois de receberem a oração”.

A Conferência de Fire chegou ao fim com ministrações da equipe evangelística do Cristo para Todas as Nações (CfaN), Peter Vandenberg, John Darku e Daniel Kolenda. “Tanto nos serviços da manhã quanto da noite, oramos para que o povo fosse cheio do Espírito Santo. Ambas as reuniões foram gloriosas”, disse Kolenda.

O evangelista americano disse que esses casos foram apenas “uma amostra dos muitos maravilhosos milagres que acontecem aqui em Lomé”. Ele pediu oração pela equipe para que outros milagres continuem acontecendo nas cruzadas pela África.

Fonte: Guiame

Homem leva a mãe a Cristo 15 anos depois de tentar abortá-lo

O amor cobre uma multidão de pecados. O texto bíblico de 1 Pedro 4:8 resume a história de Greg Stier, que foi rejeitado por sua mãe, mas levou a ela a mensagem do perdão de Cristo quando era apenas um garoto de 15 anos.

Greg foi criado em Denver, nos Estados Unidos, por uma mãe solteira em um lar problemático. Muitos de seus tios eram criminosos e ele nunca conheceu seu pai biológico. No entanto, tudo começou a mudar depois que um de seus tios mais difíceis se converteu ao cristianismo.

“Eu vi a transformação total da minha família pelo poder do Evangelho”, contou Greg a Ken Harrison, presidente da organização Promise Keepers.

Mesmo sendo uma criança, Greg ficou convicto de que iria passar o resto de sua vida incentivando as pessoas a compartilharem as Boas Novas de Cristo. “Acho que, muitas vezes, subestimamos o poder do Evangelho para mudar nossas vidas, mudar comunidades, mudar essa nação e mudar o mundo”, observa.

Seu primeiro alvo foi sua própria mãe. Quando ela descobriu que estava grávida, ela foi até Boston para fazer um aborto ilegal, mas foi impedida pelos pais. “Nós sabemos que você está grávida. Volte, tenha essa criança e nós vamos te ajudar a criá-lo”, disseram os avós de Greg, na época.

“Eu não sabia por que, quando era criança, mas muitas vezes minha mãe olhava para mim e começava a chorar. Minha avó me disse anos depois que minha mãe se sentia culpada. ‘Toda vez que ela via você, ela pensava na tentativa de aborto’, ela me disse”, conta Greg.

Desde os 11 anos de idade, Greg passou a falar sobre Jesus para sua mãe. O evangelismo aconteceu até os 15 anos. “Minha mãe sempre dizia: ‘Sou pecadora demais. Já fiz muitas coisas erradas’. Eu dizia: ‘Mãe, isso não importa. Jesus morreu na cruz’”, lembra.

“Quando eu tinha 15 anos, me sentei à mesa da cozinha e disse: ‘Mãe, estou cansado disso. Você precisa conhecer a Cristo’. Minha mãe disse: ‘Quer dizer que Jesus morreu por mim na cruz e pagou o preço por todos os meus pecados — mesmo os ruins?’. Eu respondi: ‘Sim, mãe, são todos ruins e Jesus pagou o preço de todos eles’. Ela deu uma tragada no cigarro e disse: ‘Eu acredito’. Ela colocou sua fé em Cristo naquele momento”, celebra.

Depois de suas experiências em sua própria casa, Greg Stier fundou a organização Dare 2 Share, que mobiliza adolescentes para alcançarem as pessoas à sua volta para Cristo.

Fonte: Guiame

Mais de 281 congregações protestantes foram demolidas em cidade da China

O número cada vez maior de locais de culto assediados na cidade de Xinyu, na província de Jiangxi, está superando as tristes estatísticas de perseguição religiosa na China. A cidade, que tem aproximadamente 1,2 milhões de habitantes, é declaradamente a economicamente mais avançada da província.

De acordo com informações do Bitter Winter, desde o ano passado, pelo menos 281 locais de congregações protestantes na cidade foram demolidos, incluindo alguns que pertencem à Igreja Tree-Self, aprovada pelo governo. Além disso, 81 locais de congregação protestantes foram fechados e 16 destruídas.

Em novembro de 2018, as autoridades demoliram à força um local de congregação de igrejas domésticas na vila de Jiangjia, sob a administração da cidade de Shuixi, alegando que “temiam que o prédio desmoronasse e matasse alguém”.

Porém, o prédio onde os cristãos se reuniam era estruturalmente estável. Quatro meses antes, o governo proibiu reuniões de cultos no local, alegando que não tinham as licenças necessárias.

Os aldeões de Jiangjia relataram que devido a novas regulamentações mais rigorosas dos locais religiosos, o chefe da vila foi previamente multado em 10.000 RMB (aproximadamente US $ 1.428) por “não conseguir manter os locais onde os fiéis se reunem no controle” e por não se esforçar o suficiente na administração dos assuntos religiosos.

Em julho de 2018, um local congregacional da igreja local de Tangxia na vila de Zhentian, sob a administração da cidade de Shuixi, também foi demolido, deixando quase 300 crentes sem um lugar para cultuar.

Autoridades alegaram que a razão para a demolição era que os membros da igreja “acreditavam no Deus dos ocidentais”.

Alguns locais de congregação foram forçados a serem vendidos ou demolidos pelas autoridades, como uma igreja na vila de Luosha, sob a administração da cidade de Huze, em Xinyu.

Em julho de 2018, depois que a igreja foi fechada, oficiais do governo exigiram que a capela fosse alugada gratuitamente à filial do Partido da aldeia para suas reuniões. Quando o chefe da igreja se recusou, o secretário do Partido local ameaçou vender a igreja; se não fosse vendida, seria demolida. O pastor não teve escolha a não ser vender o local da congregação.

Um mês antes, um local de congregação de igrejas domésticas em uma vila sob a administração da cidade de Xinyu Luofang também foi vítima das manipulações do governo. Primeiro, funcionários do governo fizeram membros do registro da igreja na Igreja Three-Self. Enquanto os crentes estavam dispostos a fazê-lo, os oficiais aproveitaram a oportunidade para demolir o local da congregação.

O reaproveitamento forçado de locais de congregação também ocorreu na cidade de Xinyu. Em maio, parte das paredes ao redor de um local da congregação na cidade de Hexia em Xinyu foi demolida, e o local foi fundido com a sala de reuniões do comitê da vila ao lado e transformado em uma sala de exposições.

E assim como em Henan, onde a perseguição aos cristãos tem sido relatada como mais severa, o governo de Xinyu também está forçando os lares dos crentes a remover cruzes e pinturas religiosas e as pessoas que recebiam assistência social, que se recusaram a desistir de suas crenças religiosas, tiveram seu subsídio de subsistência cancelado.

Fonte: Guiame