O que fazer antes de apontar o dedo

Maurício Zágari

O gesto de apontar o dedo é muito comum. Apontamos nosso indicador em uma variedade de situações, com diversas finalidades, mas, em geral, o que esse gesto faz é colocar algo ou alguém que não somos nós no centro das atenções. Se alguém me pergunta, por exemplo, onde fica determinada rua e eu aponto o dedo em uma direção, o que meu dedo põe no foco não sou eu, mas, sim, a tal rua. Se eu aponto para uma pessoa com o meu dedo, o assunto em questão é a pessoa, não eu. Portanto, invariavelmente, o gesto de apontar tira quem aponta dos holofotes e põe em destaque quem é apontado. Devemos, porém, tomar cuidado com o que o dedo apontado para o outro diz a nosso respeito.

Uma das maneiras de fugir das próprias responsabilidades é desviar as atenções para os erros alheios. Muitas vezes, quando não queremos encarar os nossos problemas e as nossas falhas, usamos como estratégia apontar o dedo para os erros de outra pessoa qualquer, a fim de que todos os olhos se voltem para ela e, com isso, nossas questões deixem de ser o assunto em pauta.

Por que esse assunto é espiritualmente importante? Porque a fé cristã exige de nós uma atenção constante aos nossos defeitos. O que devo trabalhar prioritariamente são as minhas deficiências; as dos outros vêm depois. O Evangelho nos confronta a todo instante com nossas falhas e exige de nós arrependimento. Porém, como se arrepender se sempre tentamos justificar nossas falhas, apontando o dedo para o próximo?

Costumo desconfiar de gente que só vive botando o dedo na cara dos outros. Sei bem disso, porque eu mesmo já fui um apontador de dedos — mas, felizmente, Deus me chamou ao arrependimento. Cristãos que dedicam a vida a apontar a falha alheia, muito provavelmente deveriam se preocupar com os próprios pecados com muitíssimo mais atenção.

Esse fenômeno acontece em diversas instâncias. Esposas e maridos conformados com seus procedimentos antibíblicos apontam o dedo para o cônjuge ao serem confrontados com seus pecados e dizem “Ah, mas você…”. Pronto. Tirou o foco das próprias atitudes e o pôs na falha do outro para não ter de se reconhecer como errado e fazer algo a respeito. Patrões que não querem se assumir como exploradores dos empregados põem o dedo na cara do governo e dizem “Ah, mas o governo…”. Cidadãos comuns que dão propina a policiais ou funcionários do governo tentam aliviar sua consciência apontando o dedo para o Planalto e dizendo “Ah, mas os políticos…”. E assim por diante.

Você tem apontado o dedo? Nenhum problema quanto a isso, se a sua motivação for corrigir com amor e se, antes, tenha feito uma profunda autoanálise. Nossa prioridade é examinar a nós mesmos e buscarmos, em nós, o arrependimento.

Responda com sinceridade e transparência: seu dedo apontado tem como motivação a amorosa edificação e correção do seu próximo ou uma pretensa superioridade moral e espiritual sua? Será que você aponta as falhas dos demais por amor a eles ou porque, afinal de contas, você é o tal, o defensor da verdade, o paladino mascarado do Evangelho? Pior: será que seu dedo apontado não tem por finalidade tirar as atenções das suas próprias falhas?

Cuidado, meu irmão e minha irmã. Examinem-se. Ponham suas motivações às claras e cuidem do seu coração, para que não se tornem, como eu já fui no passado, um cego querendo guiar outros cegos.

Fonte: Pleno.News

A sabedoria do silêncio

Denise Gonçalves

“Quem guarda a sua boca guarda a sua vida, mas quem fala demais acaba se arruinando” (Provérbios 13:3).

Com o advento da Internet e redes sociais, facilmente nos deparamos com comentaristas sobre diversos assuntos. Muitos destes comentários geram divisões e intrigas. Há quem diga que para ter opositores, basta declararmos o que pensamos.

Apesar de toda a liberdade que temos, a Bíblia nos ensina que até o néscio é tido como sábio quando está quieto. Nem sempre o muito falar nos trará bons resultados.

O importante é estarmos em sintonia com o Espírito Santo de Deus. Assim, Ele nos orientará quanto ao que devemos falar ou calar.

ORAÇÃO

Senhor Jesus, que em nossa vida aprendamos a viver sabiamente. Que nossos impulsos sejam completamente controlados por Ti. Que o nosso falar glorifique o Teu nome. Amém.

Fonte: Pleno.News

Diálogo entre a criatura e o Criador

Lothar Gassmann

Acaso o barro pode dizer ao oleiro: ‘O que você está fazendo?’” (Isaías 45.9)

Pelo fato de ser um ser vivo, a pessoa também pode se tornar independente de Deus, ou – falando figuradamente – livrar-se das mãos do oleiro. Uma vasilha de argila nunca poderia fazer isso. O ser humano, porém, afasta-se do seu Criador e fica zangado com ele. Discorda de Deus e não compreende os planos dele, ou não quer compreendê-los. Ele acha que sabe mais do que o Criador que o formou e se rebela. A Bíblia chama isso de “pecado”. Deus pergunta a quem o acusa: “… você me pergunta sobre meus filhos, ou me dá ordens sobre o trabalho de minhas mãos?” (Isaías 45.11). E continua dizendo: “Fui eu que fiz a terra e nela criei a humanidade. Minhas próprias mãos estenderam os céus; eu dispus o seu exército de estrelas” (Isaías 45.12).

Deus é o onipotente Criador do mundo. Não devemos acusar, mas adorá-lo. Nós somos apenas cacos terrenos quebrados que foram montados para formar criaturas extraordinárias. Isso não é uma realização humana própria, mas é a maravilhosa obra de Deus.

Ao céu seus pensamentos o fazem voar,
a realidade, ó tolo, para baixo lhe arrasta!
Por quanto tempo ainda insiste em se enganar?
Seja sensato: pois de ilusões já basta!

Em suas ilusões, felicidade você procura ganhar,
em riquezas, fama, prestígio e persuasão.
Então o seu esforço para bem longe vai lhe levar,
Afastando do próximo o seu ativo coração.

 Fonte: Chamada da Meia-Noite

Deus está presente!

Denise Gonçalves

“Ele salva, livra, e opera sinais e maravilhas no céu e na terra; ele salvou e livrou Daniel do poder dos leões” (Daniel 6:27).

Muitas vezes passamos por lutas e provações, sem entendermos os reais motivos de nossa luta. Ao longo de nossa caminhada, nos deparamos com mensagens que nos incentivam a crer que tudo é possível, o que realmente é verdade.

Mas, nem sempre o que entendemos como vitória é visto da mesma forma no Reino Espiritual. Um grande exemplo disso é a história de Daniel. A Bíblia nos mostra o empenho do rei em livrar Daniel das artimanhas forjadas contra ele, já que era tão querido. Mas a boa notícia é que, apesar de estar na cova dos leões, o Senhor esteve com Daniel em todo o tempo. Isso nos inspira a pensar e crer que nem sempre seremos livres das provas. Mas certamente passaremos por elas assistidos pelo Senhor.

Que a prova não nos leve a desfalecer, mas que seja uma excelente oportunidade de amadurecimento e de vivermos maravilhosas experiências com Deus.

ORAÇÃO

Senhor Jesus, que sejamos pacientes em cada provação que surgir em nossa vida. Que não sejamos murmuradores, mas vejamos Sua presença em todo tempo. Amém!

Fonte: Pleno.News

Desfrutemos das bênçãos recebidas

Denise Gonçalves

“E ele lhe disse: Filho, tu sempre estás comigo, e todas as minhas coisas são tuas. Mas era justo alegrarmo-nos e regozijarmo-nos, porque este teu irmão estava morto e reviveu; tinha-se perdido e foi achado” (Lucas 15:31, 32).

Uma das passagens bíblicas preferidas de minha infância era a do Filho Pródigo. Eu amava ler sobre o amor incondicional do pai e o perdão concedido, apesar dos erros do filho mais novo.

Muitos pregadores se firmam na situação do filho perdido e da misericórdia de seu pai, mas poucos se detém na atitude do filho mais velho. Quando penso sobre o filho mais velho, percebo a atitude de muitos em decorrência da vitória de outros.

O irmão mais velho se sentiu desprezado, por conta da alegria do pai pelo retorno do caçula. Precisamos perceber que esse comportamento não é algo tão difícil de ser encontrado em nossos dias. O fato de vermos o sucesso de alguém, não significa que o Pai não nos ama ou valoriza. Se tomamos a posição de filho, usufruindo de tudo aquilo que o Pai nos concede, viveremos uma vida plena.

Na verdade, o Pai espera que vivamos como filhos, desfrutando plenamente dos direitos que temos. Ele quer que desfrutemos de todas as bênçãos que Cristo conquistou na cruz para nós. Nossa alegria tem base no Pai, e não nas conquistas alheias.

ORAÇÃO

Senhor Jesus, ensina-nos a valorizar o que tu já reservastes para nós. Que nossos corações não sejam invejosos, mas gratos por todas as Suas bênçãos derramadas em sobre nossa vida. Amém!

Fonte: Pleno.News

Que nossas limitações não nos impeçam de ver a Jesus

Ele nos ensinou a cantar

Jailton Lima

“E, tendo cantado um hino, saíram para o Monte das Oliveiras” (Mateus 26:30).

Sim, Ele nos ensinou a cantar! Ao findar a última ceia com Seus discípulos, os evangelhos de Marcos e Mateus deixam registrados que Ele cantou um hino. Alguns renomados comentaristas citam que Jesus cantou com Seus discípulos os Salmos 115 ao 118, ou partes deles. Durante a ceia, Jesus revelou aos discípulos que seria vítima de traição por alguém dentre eles (Mateus 26:21-25). Ele também já havia, implicitamente, dito que Sua hora estava chegando (João 12:23). O momento era de intensa pressão, intensa prova, intensa tentação, mas mesmo diante de tudo isso, Ele cantou um hino.

Jesus deixou-nos mais um ensinamento maravilhoso: cantar, mesmo sob pressão. Jesus poderia ter recorrido a muitas ferramentas, mas naquele momento, Ele preferiu sair cantando. Paulo e Silas, presos injustamente, de dentro da prisão começaram a orar e cantar hinos a Deus. Tão forte era o canto deles, que os outros presos os escutavam, e não só os presos escutavam, como o mundo espiritual também! Aquele canto de adoração fez tremer os alicerces da prisão e todos foram libertos daquelas cadeias (Atos 16:25,26).

Cante! Não importa o que esteja acontecendo ao seu redor, cante! O grande rei Josafá, numa estratégia espiritual, ordenou que os cantores se posicionassem à frente da batalha contra os amonitas e moabitas. Quando começaram a cantar, o próprio Deus pôs emboscadas e os inimigos se autodestruíram (2 Crônicas 20:21-23). Glória a Deus!

Assim deve ser em sua vida. Comece a cantar a sua vitória. O inimigo não resiste quando cantamos com sinceridade ao nosso Deus. Mesmo sob intensa pressão, erga sua voz e cante com força um hino a Deus, que é capaz, neste dia, de lhe dar a vitória! Creia!

ORAÇÃO

Deus maravilhoso, ensina-me, mesmo sob pressões intensas, a cantar um hino a Ti, crendo na Tua Palavra, e que o Senhor dá vitória àqueles que confiam na Tua proteção. Em nome de Jesus. Amém.

Fonte: Pleno.News

Contra fatos, não há argumentos: os cristãos são o grupo religioso mais perseguido do mundo

Maycson Rodrigues

Depois do ocorrido neste último domingo (21), você ainda tem alguma dúvida de que o incêndio criminoso da Catedral de Notre-Dame foi motivado por perseguição religiosa? Eu não tenho dúvida. Agora, temos não um incêndio criminoso, mas um atentado terrorista que vitimou quase 800 pessoas, entre mortos e feridos.

Contra fatos, não há argumentos: os cristãos são (disparado) o grupo religioso mais perseguido do mundo e, ainda que boa parte do ocidente negue este dado da realidade, precisamos acima de tudo repercutir e suscitar uma reflexão sobre este assunto.

Creio que o reconhecimento daquilo que de fato acontece no mundo com relação ao povo que professa a fé em Jesus Cristo não deve nos fazer pensar que isso é algo a ser meramente abordado no âmbito político da coisa. Não. Devemos falar disso também no âmbito escatológico considerando que, se estamos no caminho do martírio, estamos no caminho certo.

Podem queimar os templos. A fé continuará inabalável e o Cristo mais soberano do que nunca. Sua igreja não será impedida por nenhum terrorista ou político ou seja lá qual for a personalidade poderosa ou influente. As portas do Inferno não prevalecerão…

Não estamos alicerçados em prédios feitos por homens, mas sim na Pedra Viva e Angular, aquela que foi rejeitada há mais de dois mil anos atrás: Jesus Cristo, a Rocha Inabalável onde fomos vivificados e estamos num processo permanente de edificação e santificação.

Sabemos em quem temos crido. Ele nos preservará até o fim e glorificará os seus santos mártires.

No entanto, deixamos claro para cada um que acessar este artigo a verdade de que a Igreja Cristã é e continuará sendo o maior alvo de perseguição religiosa em todo o mundo. Antes de nos acusarem de preconceituosos, intolerantes, incitadores do ódio e da violência, lembrem-se de que o sangue mais derramado nesta terra caída é o sangue de gente que abraçou o sofrimento juntamente com Cristo a fim de que, juntamente com Ele, possam alcançar a ressurreição e a glória.

E não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei antes aquele que pode fazer perecer no inferno a alma e o corpo. Não se vendem dois passarinhos por um ceitil? E nenhum deles cairá em terra sem a vontade de vosso Pai.
E até mesmo os cabelos da vossa cabeça estão todos contados. Não temais, pois; mais valeis vós do que muitos passarinhos. Portanto, qualquer que me confessar diante dos homens, eu o confessarei diante de meu Pai, que está nos céus. Mas qualquer que me negar diante dos homens, eu o negarei também diante de meu Pai, que está nos céus. (Mateus 10:28-33)

Fonte: Gospel Prime

E se Cristo não tivesse ressuscitado?

Renato Vargens

Hoje, milhões de pessoas em todo o planeta relembram o fato histórico de que Jesus Nazareno, profeta em Israel, o Filho Unigênito do Deus vivo, morreu numa cruz, ressuscitando ao terceiro dia dentre os mortos.

Caro leitor, esta verdade inequívoca é a razão da nossa celebração. O cristianismo só tem sentido porque o sepulcro está vazio! Porque, caso contrário, seria vã e sem sentido a nossa fé! Aliás, você por acaso já parou para pensar o que seria de nós caso Cristo não tivesse ressuscitado?

Ora, se o Senhor não tivesse ressuscitado, continuaríamos mortos em nossos delitos e pecados. Se o Senhor não tivesse ressuscitado, ainda seríamos escravos de Satanás. Se Cristo não tivesse ressuscitado dentre os mortos, estaríamos fazendo a vontade da carne, andando segundo o curso deste mundo, conforme a vontade do príncipe da potestade do ar. Se Cristo não tivesse ressuscitado, não teríamos a esperança da vida Eterna, nem tampouco poderíamos desfrutar das benesses do Seu Reino.

Prezado amigo, como é bom saber que o nosso Senhor venceu a morte! Sem sombra de dúvidas, a ressurreição de Cristo é a parte principal da fé cristã. O apóstolo Paulo deixou isso claro em sua primeira carta aos Coríntios: “E, se não há ressurreição de mortos, também Cristo não ressuscitou. E, se Cristo não ressuscitou, logo é vã a nossa pregação, e também é vã a vossa fé. Se esperamos em Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens” (1 Coríntios 15:13-14, 19).

Ao contrário dos deuses das religiões pagãs, podemos afirmar que o nosso redentor VIVE! Aleluia! A morte não O deteve, os nossos pecados não O detiveram, o Sepulcro está vazio! Cristo ressuscitou! Ele vive e reina SOBERANAMENTE! Em virtude disto, podemos cantar:

Porque Ele vive, posso crer no amanhã
Porque Ele vive, temor não há
Mas eu bem sei, eu sei, que a minha vida
Está nas mãos do meu Jesus, que vivo está

Deus enviou Seu Filho amado
Para morrer em meu lugar
Na cruz sofreu por meus pecados
Mas o sepulcro vazio está porque Ele vive

E quando, enfim, chegar a hora
Em que a morte enfrentarei
Sem medo, então, terei vitória
Verei na Glória o meu Jesus que vivo está!

Fonte: Pleno.News

Tortura psicológica: as piores cicatrizes estão na mente

Por Joan Delaney, Epoch Times

Nota do Editor: O Epoch Times publica uma série de artigos que expõem o uso de tortura pelo regime chinês contra os grupos que ele persegue, assim como o sofrimento e danos que causa a quem o sofre.

Um médico do Comitê Internacional da Cruz Vermelha que visitou numerosos centros de detenção em todo o mundo diz que a tortura psicológica pode ter efeitos extremamente negativos.

“A tortura durante o interrogatório geralmente inclui métodos que não agridem o corpo nem causam qualquer dor física, mas trazem consigo dor e sofrimento psicológicos graves e perturbam profundamente os sentidos e a personalidade”, escreveu o Dr. Hernán Reyes em um artigo intitulado “As piores cicatrizes estão na mente: tortura psicológica”.

De acordo com a Anistia Internacional, a privação do sono e o confinamento solitário são dois métodos de tortura psicológica comumente usados na China, mas há muitos mais, incluindo ameaças contra membros da família, períodos de intenso interrogatório e incutir medo.

Entre as vítimas estão membros das minorias étnicas tibetanas e uigures, suspeitos de “separatismo”, advogados de direitos humanos, dissidentes políticos, praticantes do Falun Dafa, ativistas da democracia e membros de igrejas clandestinas.

A China tem um enorme sistema de centros de reeducação, comumente chamados de centros de lavagem cerebral. Possivelmente, o maior desses centros — que foi descrito como um campo de concentração por grupos de direitos humanos — é o da região de Xinjiang, onde pelo menos um milhão de uigures e outros grupos muçulmanos são mantidos e submetidos a doutrinação psicológica, que inclui ser forçado a frequentar aulas de reeducação política e cantar músicas com letras políticas.

De acordo com o jornal britânico Independent, os muçulmanos são forçados a renunciar ao Islã e jurar fidelidade ao Partido Comunista Chinês. Em uma audiência da Comissão Executiva do Congresso dos Estados Unidos sobre a China, em julho passado, foi dito que os detidos são mantidos isolados, sem comida ou água, e são impedidos de dormir, além de serem questionados sobre suas práticas religiosas e sobre suas viagens ao exterior.

Um relatório da Campanha Internacional pelo Tibete revelou que o nível de violência dirigido aos prisioneiros políticos tibetanos é muitas vezes extremo e que os tibetanos não ficam apenas com ferimentos físicos permanentes, mas também com graves traumas psicológicos. Um relatório de 2018 do Centro Tibetano para Direitos Humanos e Democracia revelou que, desde 2012, monges e monjas foram expulsos de vários templos e monastérios e depois mantidos em centros de reeducação por semanas ou meses sem qualquer acesso ao devido processo legal.

Por anos, os cristãos na China enfrentam pressão psicológica como resultado da prisão de pastores, fechamento de igrejas e congregações, queima de bíblias e remoção de cruzes das igrejas.

Nesta última etapa, a Mission Network News informa que há planos em andamento para reescrever partes da Bíblia para torná-la mais compatível com a ideologia do Estado comunista. Segundo o The Christian Post, as autoridades também estão pressionando mais de 20 mil igrejas clandestinas para que fechem as portas ou se unam à igreja autorizada pelo regime, enquanto Pequim busca fortalecer o controle sobre os grupos religiosos.

O uso de centros de lavagem cerebral para aprisionar praticantes do Falun Dafa é particularmente difundido na China. De acordo com monitores de direitos humanos, desde que o regime chinês anunciou a abolição do sistema de campos de trabalho forçado em 2013, os centros de lavagem cerebral tornaram-se as principais instalações utilizadas ara perseguir os praticantes do Falun Dafa. Nesses centros, os praticantes estão sujeitos a constantes abusos e ameaças verbais, além de tortura física. Eles também são alimentados à força ou injetados com drogas que danificam o sistema nervoso para tentar forçá-los a abandonar suas crenças.

Fonte: Epoch Times