Pastor diz que Bolsonaro foi escolhido por Deus como o “Ciro do Brasil”

O presidente Jair Bolsonaro publicou um vídeo neste domingo (19), em sua página no Facebook, em que é apontado como o “Ciro do Brasil” pelo pastor francês Steve Kunda. Na legenda, o presidente afirmou que “não existe teoria da conspiração” e que “quem deve ditar os rumos do país é o povo”.

“Na história da Bíblia, houve políticos que foram estabelecidos por Deus. Um exemplo é quando falam do imperador da Pérsia, Ciro. Antes do seu nascimento, Deus fala através de Isaías: ‘Eu escolho meu servo Ciro’. E o senhor Jair Bolsonaro é o Ciro do Brasil”, disse Steve Kunda no programa Bate-Papo, transmitido em abril pela emissora Rede Super.

A Bíblia relata que o rei da Pérsia autorizou os judeus a regressarem à Judeia, pondo fim ao período do cativeiro Babilônico.

“Eu não moro aqui, mas falo da parte de Deus. Vocês aceitando ou não, vocês, sejam de esquerda ou direita, o senhor Jair Bolsonaro é o Ciro para o Brasil. Deus o escolheu para um novo tempo, uma nova temporada no Brasil”, acrescentou o pastor, que é fundador da Mission Chretienne Ouvriers de L’Evangele, na França.

O apóstolo pediu ainda que os cristãos brasileiros orem por Bolsonaro, ao invés de passar seu tempo o criticando. “Juntem suas forças, sustentem esse homem, orem por ele, o encorajem. Não faça parte da oposição, venha fazer proposição. Tenha uma visão nacional para a emancipação da nação”, aconselha.

Antes das eleições no Brasil, o pastor disse que Deus mostrou a ele que os primeiros dois anos de governo não seriam fáceis e que Bolsonaro encontraria obstáculos, “mas foi Deus quem o escolheu”.“O Brasil vai ser um centro para a América Latina e vai influenciar as nações, mesmo no plano espiritual”, destacou.

Pedido para a unidade

O pastor também fez um apelo para que os cristãos caminhem em unidade. “Quero falar para todos os crentes e pastores: saiam da divisão, saiam de denominações. Deus é um. Vamos colocar as denominações de lado. Deus quer derramar um novo avivamento no Brasil”, afirmou.

“A igreja tem como visão influenciar a sociedade positivamente. Por isso, povo de Deus, pastores, estejam na unidade, esqueçam as divisões, esqueçam as denominações. Deus não é protestante, não é evangélico, não é católico, não é batista, não é testemunha de Jeová. Deus é Deus. É indivisível”, completou.

Ele ainda alertou que “se o Brasil não aproveitar esse tempo, a queda do Brasil será terrível”. “Eu falo como profeta e servo de Deus. Não estou aqui para te dar lições, mas para dizer o que Deus me falou”, reforçou.

O pastor contou que foi desaconselhado por outros líderes a opinar sobre a política no Brasil. “Eu fiz um vídeo e publiquei, muitos pastores me falaram para não dizer nada porque muita gente não gostava do Bolsonaro. Mas da mesma forma que Deus escolheu Ciro, Deus escolheu Jair Bolsonaro presidente do país que eu respeito e honro”.

Fonte: Guiame

Polícia investiga grupo terrorista que ameaça Bolsonaro e ministros

O grupo autointitulado “Sociedade Secreta Silvestre” tem feito ameaças ao presidente Jair Bolsonaro e a ministros, incluindo ataques a bomba contra Damares Alves e Ricardo Salles.

A divisão antiterrorismo da Polícia Federal tem investigado o grupo em busca de seus integrantes que se declaram “ecoterroristas” e “anticristãos”. Eles foram responsáveis pela bomba caseira colocada na porta de uma igreja a 50 quilômetros do Palácio do Planalto.

O grupo também assumiu a autoria dos ataques em uma sede do Ibama em Brasília, onde dois carros foram incendiados e onde a polícia encontrou fragmentos de bomba caseira.

A revista Veja teve acesso aos documentos da investigação contra a tal “Sociedade Secreta Silvestre”, incluindo as ameaças feitas por eles em um site. Para os investigadores, as condutas dos envolvidos são “extremamente graves” por conta do uso de artefatos explosivos.

Fonte: Gospel Prime

“Se não fosse o cristianismo, não haveria libertação de escravos”, diz trineto da Princesa Isabel

O deputado federal Dom Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PSL-SP) foi vaiado durante a sessão solene em homenagem à abolição da escravatura no Brasil por citar que a libertação dos escravos foi graças ao cristianismo.

O trineto da Princesa Isabel fez um apanhado de dados históricos sobre o fim da escravidão, desde a Grécia antiga, declarando que a escravidão “é parte da natureza humana”, mas que em contexto de paz, regras e com uma constituição surge a consciência e a indignação contra as desigualdades.

Enquanto ele falava na tribuna da Câmara dos Deputados, um grupo de manifestantes do movimento negro, liderados por deputados de esquerda como Erika Kokay (PT-DF) e Talíria Petrone (PSOL-RJ).

Quando Dom Luiz cita o cristianismo, o grupo lança vaias contra ele. “Se não fosse o cristianismo, não haveria libertação de escravos na Europa. Os valores cristãos criaram sim o fim da escravatura nas tribos europeias, deram o norte moral para as famílias fundadoras, encabeçando os seus territórios e nos seus territórios eles declararam o fim da escravatura”, disse.

Enquanto apoiadores da monarquia aplaudiam, o grupo de manifestantes seguiam vaiando o deputado federal que é autor do pedido de homenagem aos 131 anos da assinatura da Lei Áurea, completados na última segunda-feira (13).

Dom Philippe continuou seu pronunciamento listando dois fatores importantes para garantir o fim da escravidão: a criação do Estado e o norte moral dado pelo cristianismo. Ele também citou que a Igreja Católica foi importante para defender o fim da escravatura nos países fora da Europa.

Fonte: Gospel Prime

Senado vota “PEC da vida”, apoiada pela bancada evangélica

De autoria do ex-senador Magno Malta, a PEC 29/2015 altera a Constituição Federal, acrescentando no art. 5º a explicitação “da inviolabilidade do direito à vida, desde a concepção”.

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), deverá votar o tema esta semana. Um levantamento publicado pela IstoÉ mostra que nenhuma das 13 senadoras mulheres da legislatura atual se declarou a favor das discussões sobre a descriminalização do aborto.

O projeto originalmente prevê legalidade do aborto em somente duas exceções: se a vida da mãe estiver em risco e se a gestação for resultado de estupro. O ponto de tensão é quando retira a terceira exceção existente hoje, o aborto de feto anencéfalo, legalizada desde 2012 por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).

A Proposta de Emenda à Constituição tramita no Congresso desde 2015, sendo apoiada pela bancada evangélica. Como Malta não se reelegeu, o projeto foi desarquivado no começo deste ano pelo senador Eduardo Girão (PODE/CE).

Caso seja aprovada pelo Senado, a medida pode barrar de vez qualquer avanço nas discussões sobre a descriminalização do aborto no Brasil.

Fonte: Gospel Prime

Escolas podem trocar Dia das Mães pelo “Dia de quem cuida de mim”

A Secretaria Estadual de Educação do Tocantins orientou as escolas que substituam o Dia das Mães pelo “Dia de quem cuida de mim”. A circular enviada para as escolas estaduais gerou muita polêmica entre os educadores e também nos pais.

O caso foi debatido na Câmara Municipal de Palmas, o vereador Filipe Martins (PSC), se colocou contra a orientação da secretaria e criticou a retirada da homenagem às mães.

“Eliminar o dia das mães é uma afronta à sociedade. Peço que esta Casa de Leis envie uma Moção de Repúdio e que o Governo do Estado possa esclarecer e rever essa mudança”, disse.

O vereador Diogo Fernandes (PSD) sugeriu que a Câmara se una para entrar com um mandato de segurança para impedir que a medida seja adotada.

“Não podemos jamais tolerar que o posicionamento ideológico de um ou de outro seja impositivo na sociedade”.

Inserir todas as famílias

Ao ser questionada sobre a mudança das comemorações de Dia das Mães, a secretária estadual de Educação, Adriana Aguiar, disse que a mudança visa “inserir todas as famílias”.

“Desta forma, crianças cujas mães não estejam presentes, por qualquer motivo que seja, poderão inserir nas celebrações da data as pessoas que lhes dão carinho, proteção e cuidado todos os dias (pai, avó, avô, tio, tia, etc.)”

Na nota, a “Seduc reforça que a ação não foi imposta a nenhuma unidade de ensino e que cada escola possui autonomia para definir a melhor forma de celebrar/comemorar o Dia das Mães com as tradicionais homenagens”.

Fonte: Gospel Prime

Projeto aprovado na Câmara autoriza isenção de ICMS para igrejas

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou, por 382 votos a 6, o Projeto de Lei Complementar n. 55/2019, de autoria da deputada Clarissa Garotinho (Pros-RJ). A norma permite que os Estados prorroguem, por mais 15 anos, isenções de ICMS para igrejas (templos de qualquer culto) e entidades beneficentes de assistência social.

Detalhe: os deputados de esquerda (PT, PSOL e PCdoB) votaram pela obstrução da pauta, o que significa dizer que simplesmente não querem trabalhar no Parlamento, travando todas as discussões que pretendem mudar o país. E os deputados que votaram contra as igrejas foram: Alexis Fonteyne (Novo-SP), Gilson Marques (Novo-SC), Luiz Flávio Gomes (PSB-SP), Paulo Ganime (Novo-RJ), Rodrigo Agostinho (PSB-SP) e Tiago Mitraud (Novo-MG).

Voltando ao assunto, no Rio de Janeiro, por exemplo, desde 1999 o Estado proibiu a cobrança de ICMS dessas organizações em suas contas de energia e gás, o que gerava um desconto de mais de 30% no valor final. Só que a Lei Complementar n. 160/2017 – querendo acabar com a guerra fiscal entre os Estados – previu que tais benefícios só poderiam ser renovados até dezembro de 2018.

Devemos lembrar que a norma de 2017 já havia permitido a permanência dos incentivos fiscais, pelos mesmos 15 anos, para vários setores, como a agroindústria, a infraestrutura portuária e o transporte urbano. Antes de comecem a “berrar” pelo Estado Laico, não se trata de qualquer tratamento privilegiado às igrejas, que, aliás, desenvolvem inúmeros trabalhos relevantes de interesse público.

Mas, você pode se perguntar: se já existe a imunidade tributária das igrejas, por qual motivo elas pagam o ICMS? A resposta é: porque o Supremo Tribunal Federal faz uma interpretação restritiva da imunidade.

Apesar de sermos nós, consumidores finais, os que realmente arcamos com o imposto, a lei impõe a obrigação de recolhimento às concessionárias de energia elétrica, por exemplo. Ou seja, o consumidor é apenas o contribuinte de fato (ele paga o imposto), mas não o contribuinte de direito (responsável perante o Estado). E, segundo o STF, a imunidade abrange apenas esses últimos. Nada mais ilógico!

Assim, enquanto o Supremo não mudar seu entendimento – para corretamente analisar as imunidades – ainda serão necessárias as isenções. E, nesse sentido, a aprovação do projeto na Câmara é, de fato, motivo para comemorarmos.

Mas o texto ainda precisa passar pelo Senado e, depois, ser sancionado pelo Presidente da República, para começar a valer. Esperamos que isso ocorra, e em breve.

Fonte: Gospel Prime

Sérgio Moro recebe Bíblia e orações de pastores

O ministério dos Gideões Internacionais é conhecido pela distribuição anual de milhões de cópias das Escrituras. Nesta quarta-feira (8), Mauricio Melo Menezes, presidente nacional do ministério, juntamente com Antônio Cabrera Mano Filho, capelão nacional dos Gideões e Jesseir Coelho de Alcântara, capelão da estadual de Goiás, visitaram o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Fernando Moro.

Ao ex-juiz foi entregue uma cópia da edição especial do Novo Testamento referente aos 60 anos da Associação no Brasil e dos 200 milhões de exemplares distribuídos no país. Também recebeu orações dos pastores.

Os representantes dos Gideões Internacionais, acompanhados do bispo Robson Rodovalho, da Igreja Sara Nossa Terra, também estiveram com o advogado-geral da União do Brasil, André Luiz de Almeida Mendonça, que é pastor presbiteriano.

Eles participaram de uma mesa redonda no “Congresso de Liberdades Religiosas”, promovido pela Associação Nacional de Juristas Evangélicos (ANAJURE). Na ocasião, o pastor Milton Ribeiro, da Igreja Presbiteriana de Santos, destacou a relevância dos Gideões em todo o Brasil, inclusive nos presídios e nas áreas de difícil acesso na Amazônia.

Na sua conta oficial no Facebook, os Gideões Internacionais comemoraram a oportunidade, publicando foto com Moro e Mendonça acompanhados do versículo de Isaías 55:11: “Assim será a minha palavra que sair da minha boca. Não tornará para mim vazia, mas efetuará o que me apraz, e prosperará naquilo para que a enviei.”

Fonte: Gospel Prime

“Holocausto nunca mais” é projetada na fachada do Congresso Nacional

O Brasil fez uma homenagem no Dia do Holocausto e Heroísmo, na quarta-feira (1º), nas torres do prédio do Congresso Nacional Brasileiro (Câmara e Senado) com a projeção das palavras “Holocausto nunca mais”. A projeção foi solicitada pela COnfederação Israelita do Brasil (Conib).

Projetas em laser nas cores verde, as palavras relembraram sobre do genocídio em massa dos judeus em campos da Alemanha Nazista, em 1945.

O primeiro-ministro de Israel agradeceu à homenagem pelo twitter: “Obrigado ao meu amigo, presidente brasileiro Jair Bolsonaro, Congresso Nacional Brasileiro e ao povo brasileiro, por esta homenagem comovente no dia da lembrança do Holocausto”.

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro respondeu ao premiê israelense. “Forte abraço, Bibi! Shalom!”. Ao lado colocou as bandeiras do Brasil e de Israel na resposta.

Em hebraico, a data é o “Yom HaShoá VehaGvurá”, feriado nacional em Israel, dia 27 do mês de Nissan no calendário judaico. No calendário gregoriano, corresponde ao início da noite do 1º de maio, quando teve início a projeção.

A Conib afirma que a iniciativa é “um tributo à memória dos 6 milhões de judeus exterminados pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial, no episódio mais sombrio da história moderna”. Lembra também o espírito de resistência dos que conseguiram se rebelar em algumas cidades ocupadas pelos nazistas e em alguns campos de concentração.

De acordo com a Conib, o objetivo da data é fazer o Holocausto chegar ao conhecimento de todos, servindo de alerta contra o antissemitismo.

Fonte: Guiame

Damares desmente Veja e nega saída do governo Bolsonaro

Uma matéria veicula na revista Veja nesta manhã de sexta-feira (03) trazia a informação de que Damares Alves havia pedido para sair da equipe de governo. A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MDH) integra a equipe ministerial desde o começo do governo, em 02 de janeiro deste ano, quando Jair Bolsonaro assumiu a Presidência da República.

A matéria até disse os motivos pelo pedido, já desmentido pela ministra: “Cansada, com problemas de saúde e ameaçada de morte, a estrela mais vistosa entre os evangélicos da gestão já avisou ao presidente que quer sair”.

A ministra, no entanto, negou e divulgou a seguinte informação por meio de um vídeo gravado no nordeste: “Informo que não pretendo sair do governo”.

No vídeo, além de negar a informação dada pela revista, Damares se disse surpresa de que pretende deixar o governo. “Fui surpreendida com a notícia de que estão falando que vou deixar o governo. Isto não procede. Não vou deixar o governo, vou ficar com o presidente Bolsonaro até o dia que ele quiser e até onde a minha saúde aguentar”, afirmou a ministra.

A ministra contou sua localização, antes de falar sobre a fake news. Disse que estava em Aracajú entregando muitos projetos do governo federal. No final, lembrou que maio é o mês laranja, de enfrentamento à violência sexual contra a criança. Damares finalizou apelando para que as pessoas façam denúncias pelo Disque 100. “Vamos denunciar a violência contra a criança”.

A ministra disse ainda que maio é um mês de muito trabalho, porque é o mês da família e o mês da adoção. “Vamos trabalhar protegendo crianças e família”, finalizou.

Veja o vídeo:

Fonte: Guiame

Bolsonaro chama Israel de “a terra de Jesus” em evento evangélico

A abertura do 37º Congresso dos Gideões Missionários da Última Hora (GMUH), em Camboriú (SC) teve a presença do presidente Jair Bolsonaro. No evento, que teve início na noite desta quinta-feira (02) no Ginásio de Esportes Irineu Bornhausen, Bolsonaro exaltou o Estado de Israel e a declarou como “a terra de Jesus”.

Como sempre diz quando compara Israel com o Brasil, Bolsonaro repetiu que o pequeno país do Oriente Médio alcançou destaque mesmo sendo muito menor que o Brasil em dimensões.

“O menor Estado brasileiro, Sergipe, é maior que o Estado de Israel. E olha o que nós não somos. O que nos falta é ter fé, acreditar, ter certeza que a gente pode mover esse país para o destaque. Nós, enquanto autoridade, temos que governar pelo exemplo”, disse.

O presidente afirmou que chegou ao cargo de presidente sem mentir e disse entender que cumpre uma missão de Deus.

Bolsonaro homenageou um tenente brasileiro que lutou na 2ª Guerra Mundial que participava da solenidade: “A nossa vida de nada vale se não tivermos liberdade. Temos aqui um herói vivo que, nos campos de batalha da Itália, foi lutar pela liberdade de todo o mundo”, disse.

O presidente voltou a destacar o atentado sofrido durante a campanha eleitoral e afirmou ter sido “salvo por um milagre”. Meses antes de a faca ser desferida com ele em Juiz de Fora (MG), Bolsonaro recebeu oração na região abdominal quando esteve no Congresso dos Gideões.

Bolsonaro cumprimentou o deputado Pastor Marco Feliciano, a quem chamou de companheiro nas lutas, na Comissão de Direitos Humanos, na defesa da tradicional família brasileira.

No evento, Bolsonaro recebeu uma placa em sua homenagem, com o provérbio “Quando justo governo, o povo se alegra” e agradecendo pelo “carinho demonstrado ao povo evangélico em geral”.

Fonte: Guiame